Edifício Master




Edifício Master é um filme documentário brasileiro de 2002, dirigido pelo cineasta Eduardo Coutinho, sobre um antigo e tradicional edifício situado em Copacabana, na cidade do Rio de Janeiro, que tem em média 500 moradores.Eduardo Coutinho é, atualmente, um dos documentaristas mais destacados de sua geração, e se caracteriza pela forma direta na produção de seus documentários, sem a utilização de muitos efeitos.

Um dos pontos mais abordados foi a solidão e como isso é infinitamente expressivo em grandes centros urbanos. Ao mesmo tempo que estamos ao lado de milhões de pessoas,oportunidades, encontros amorosos, não temos nada ou somos apenas mais um na multidão, apenas mais um número no crachá... Atualmente, o individualismo e a solidão vem sendo uma tendência marcante das sociedades contemporâneas. No entanto, mais do que marcar uma característica dos nossos tempos, a questão do isolamento é mais um dos vários fenômenos socioculturais abrangidos pelos estudos da sociologia. Além disso, a questão do isolamento não se limita a seres isolados, sendo também vivenciado por certos grupos sociais.Nas últimas décadas, o isolamento social pode ser presenciado na chamada “tendência single”, onde um grande número de pessoas – que vivem em grandes centros urbanos – prefere experimentar uma rotina solitária. Nesse tipo de fenômeno, o indivíduo não se mostra totalmente recluso da sociedade. Entretanto, o individualismo e o receio de estabelecer laços e compromissos com outro acabam transformando a solidão em uma opção mais confortável para o “single”. O filme mostra  exatamente isso e nos presenteia com a identidade dos moradores, suas particularidades, suas condições e formas de vida. Realizamos um passeio ao lírico e ao mesmo tempo decadente pelo edifício através de sua estrutura física, com misteriosos corredores.

Voltando ao aspecto solidão vs humanos.  Ao longo da história, poderíamos encontrar outros casos de isolamento social. Na Idade Média, por exemplo, diversos membros da Igreja procuravam a elevação de sua condição espiritual buscando uma vida reclusa no interior dos mosteiros. Na Grécia Antiga, os instrumentos da democracia ateniense poderiam condenar um cidadão ao ostracismo, espécie de degredo onde as pessoas que ameaçavam a ordem política ficavam exiladas por dez anos.No âmbito coletivo, o isolamento social também atingiu grupos sociais que tinham suas liberdades restringidas. Durante o processo de colonização da África do Sul, por exemplo, as autoridades inglesas adotaram uma política de isolamento socialmente conhecida pelo nome de “apartheid”. O apartheid previa uma série de leis que visavam impedir que os indivíduos considerados negros tivessem algum tipo de contato com qualquer pessoa de descendência europeia. 



No documentário, uma das cenas que mais comove é de um senhor(Henrique)que é fã do Frank Sinatra.Em meio ao contexto da entrevista ele coloca "My Way" e ao olhar aquele senhor em sua simplicidade revivendo seu passado em um presente tão singular e solitário, sinto um vazio(até que necessário) que no meu caso refere-se ao profissional e derramo lágrimas.Talvez uma das mais tristes e preocupantes consequências de vivermos cercados de pessoas egoístas seja a dificuldade de confiar. É que quem só pensa em si mesmo sequer reconhece como traição suas mentiras ou omissões mal intencionadas. Talvez por falta de consciência, por excesso de auto indulgência ou pela simples ausência de um autoexame, essas pessoas consideram naturais e justificáveis todas as suas ações, não se importando com quem ficar ferido pelo caminho. Cada um que cuide de si.

Mas, no documentário temos um período de bonança com cenas agradabilíssimas como: aniversário surpresa, romances,  cena do início de uma vida em cidade grande entre outras. A produção foi bem bacana, o diretor e sua equipe mantiveram-se durante três semanas dentro do edifício, literalmente morando lá, com a intenção de que ocorresse uma ambientação entre a equipe que produzia o documentário e os moradores. Apesar do edifício Master estar localizado em uma área nobre da cidade do Rio de Janeiro, em Copacabana, a maioria de seus moradores pertence às classes médio baixa e baixa, principalmente comparando com a realidade da sociedade carioca. Os moradores do edifício são pessoas provenientes de diversos locais e origem, com idades diversas, e com diversas histórias de vida, mas habitando todas em um mesmo local. Estes mesmos moradores raramente se veem, ou nem sabem da existência um do outro.Mais ou menos equivalente ao COPAN SP.Intrigante pensar que vivemos em um mundo "globalizado", em plena "era da informação" e ao mesmo tempo, um aniquilando o outro seja no âmbito corporativo ou social. Tudo em nome de um pseudo final 'feliz'. Edifício Master, um excelente documentário que mostra um pouco do que é conviver com a solidão e esperança.









2 comentários:

  1. Patrícia, eu confesso que tenho uma dívida enorme com o documentário como gênero, o números de resenhas de docs no Sublime já denota isso. Os trabalhos do Eduardo Coutinho sempre despertaram minha curiosidade, sempre planejo de ver algum deles, mas nunca o faço...

    A abordagem da solidão me pareceu ser bastante interessante, eu sei bem o que é estar rodeado de pessoas e ainda se sentir solitário, incompleto, vazio...

    ResponderExcluir
  2. Olá Brunão,

    Só te digo isso:
    Quando puder assista(vai gostar) bjsssssssss

    ResponderExcluir

"O cinema não tem fronteiras nem limites. É um fluxo constante de sonho." (Orson Welles)

 

Google+ Followers

Follow by Email