A Família



The Family
Luc Besson em mais uma homenagem aos filmes sobre máfia. Dessa vez, o bem construído The Family consegue prender nossa atenção. Com personagens bem caricatos, sarcásticos e com humor inteligente, o longa em seu primeiro final de semana estreou na 2° posição com 14 milhões de dólares, em seu segundo fim de semana atingiu 7 milhões e depois atingiu 3,7 milhões de dólares. Em sua totalidade arrecadou 25,2 milhões de dólares.

Após entrar para o programa de proteção à testemunha, uma família tradicional ítalo americana ligada à máfia é transferida para a França. De início eles se adaptam à nova vida, mas aos poucos os velhos hábitos voltam à tona e eles passam a resolver os problemas que surgem a seu modo. Ao mesmo tempo, líderes da máfia nos Estados Unidos, procuram pelo grupo em busca de vingança. O agente do FBI Stansfield (Tommy Lee Jones) fará de tudo para protegê-los, mas nem sempre contará com a ajuda do pai da família, Fred Blake (Robert De Niro), e nem dos outros membros.


  "Eu sempre quis ser mafioso, desde que me lembro" 
 Ray Liotta - Os Bons Companheiros

 "É impagável a hora em que o personagem de De Niro abre um sorriso ao descobrir que o cineclube da cidadezinha vai exibir Goodfellas, uma referência que qualquer fã de cinema identifica, mas a relação cinefílica que Besson quer estabelecer aqui é mais específica. Do choque cultural vêm as piadas do filme, mas, mais do que isso, colocar americanos num ambiente francês é o primeiro sinal de que Besson está interessado mesmo em falar dessa admiração que o cinema francês nutre pelo cinema de gênero hollywoodiano - no caso, o filme de gângster." Site Omelete

No filme vemos alguns personagens que demonstram sintomas típicos do Transtorno Explosivo Intermitente (TEI). Uma patologia psiquiátrica em que existe falha no controle do impulso da agressividade gerando comportamentos exaltados e desproporcionais. Outra característica importante é a frequência. É preciso mais do que um ataque de raiva para a pessoa ser considerada paciente de TEI. Única personagem que demonstra uma paciência "relativa" é Maggie Blake( Michelle Pfeiffer) ou seja, em The Family temos momentos de "estouro" e calmaria.

A história é recheada de humor negro e minha cena preferida é a reação de Maggie quando se sente ofendida no supermercado. O desfecho dessa cena utiliza muitos clichês, porém vale  diversão.
Afinal, todo mundo tem um dia de fúria, ou vários ou uma vida inteira de temperamento explosivo e The Family conseguiu retratar isso no filme, lógico de uma maneira mais "agradável". 

 

1 comentários:

  1. Fiquei curiosa para ver este filme e amei essa guloseima!!!!
    Beijinhos,
    Ju.

    ResponderExcluir

"O cinema não tem fronteiras nem limites. É um fluxo constante de sonho." (Orson Welles)

 

Google+ Followers

Follow by Email