Everything Is Illuminated



"Por que você deu cigarros pra ele?" 
" Foi uma gorjeta!"
" O que são gorjetas?" 
"Por exemplo, nos EUA temos Vallets- pagamos para que eles estacionem nossos carros."
"Por que você mesmo não estaciona?"

Fotografia exuberante, bucólico, um clima vintage noir e histórias de outras pessoas interligando-se com às nossas... Assim, é Everything is Illuminated - Uma Vida Iluminada, filme de 2005 escrito e dirigido por Liev Schreiber e estrelando Elijah Wood. Foi adaptado do romance Everything Is Illuminated de Jonathan Safran Foer.
Jonathan (Elijah Wood) é um jovem judeu americano, que vai até a Ucrânia em busca da mulher que salvou a vida de seu avô na 2ª Guerra Mundial. Ele é auxiliado nessa viagem por Alex Perchov (Eugene Hutz), um precário tradutor que mais atrapalha do que ajuda, e pelo avô de Alex, um motorista mal-humorado que anda sempre acompanhado do cachorro, batizado de Sammy Davis Jr Jr. Durante a jornada o inusitado quarteto descobre segredos sobre a ocupação nazista[perseguição aos judeus]  e a cumplicidade do governo ucraniano.Ganhou Prêmio Lanterna Mágica no Festival de Veneza 2005 e Melhor Roteiro no Festival de Cinema do Rio de Janeiro (Brasil) atuação de Boris Leskin é simplesmente MAGISTRAL!O que é aquele carro azul? Parece que foi retirado do filme Harry Potter,rs e definitivamente o carro é um personagem. E o  cachorro? Ele é espetacular e altamente icônico.Elijah Wood  e aqueles óculos? Ele precisou usar lentes de contato especiais para reverter o efeito do grau. Trilha sonora impecável com instrumentais que foram compostas por Paul Cantelon, conduzidas por Ted Sperling, com destaque para "Trachimbrod  Requiem" que é EXUBERANTE.  Faz parte de uma das cenas mais lindas e importantes do filme.
Somos nossas memórias? Até que ponto o passado pode impedir o futuro? Todo passado é escorregadio?



Diante das atribulações do presente, buscar no passado algum tipo de suporte que ofereça segurança conforto, parece o caminho ideal para nossas fantasias ou fuga da realidade conturbada.
Mergulhar e trazer das profundezas do imaginário os recortes do tempo, cheiros esquecidos, fatos encabulados, sabores e sonhos pode ser algo enriquecedor. E quando nos perdemos no passado? Nossas histórias atuais não satisfazem mais e o nosso pequeno OZ é o passado...o que fazer?
Viver nesse mundo de Alice? A história pode pertencer somente a uma única pessoa, mas ela faz sentido quando relacionada às histórias de outras pessoas.Exatamente, o que ocorreu no filme. E isso foi retratado de maneira tão mágica que fico sem palavras para descrever a poesia presente no longa.
O mundo fragmentado em sua totalidade poderia ser o pano de fundo para a projeção da nossa história. Afinal,de contas somos família, somos passado, seremos futuro e provavelmente, nossos filhos, netos serão o resgate do nosso passado em busca do seguir em frente.
E muitas vezes quando lembramos do passado[ou vivemos] trazemos a verbalização das paisagens, a aquele tempo esquecido resultando em um novo significado. 

 Muitas vezes nossa tendência de refúgio nas experiências mais marcantes deixam de lado aqueles momentos mais sensíveis do presente. O que é retratado brilhantemente no filme quando vemos, aos poucos a pequena coleção de Jonathan.Buscar o passado para modificar substancialmente o presente é possível?No filme, vemos ação individual de Jonathan resultando em um futuro transformador para todos envolvidos.Mesmo que essa mudança profunda contrarie algumas vidas. 
Parece que o envolvimento de Jonathan na vida de todos ocasionou a iluminação que todos buscavam..Inclusive, ele mesmo. Um filme encantador!







0 comentários:

Postar um comentário

"O cinema não tem fronteiras nem limites. É um fluxo constante de sonho." (Orson Welles)

 

Google+ Followers

Follow by Email