Reflexões de um Liquidificador


Até onde você iria por amor? Ou melhor, até onde você iria por vingança? Parece que o tema vingança pegou nosso Blog de jeito, não é? rs.
Não é nada disso(ou talvez seja) coincidências de lado o filme de hoje é o simpático: Reflexões de Liquidificador, dirigido por André Klotzel ("Marvada Carne", "Capitalismo Selvagem"), roteiro de José Antonio de Souza. No filme temos como protagonista a dona de casa Elvira, interpretada por Ana Lúcia Torre. Ex-dona de bar, com o marido Onofre (Germano Haiut, de "O ano em que meus pais saíram de férias"), ela passa os dias na cozinha enquanto ele faz bico como segurança. Para ganhar um dinheirinho extra, ela também empalha bichos(a meu ver:deplorável) que ele vende numa feira.O tal Liquidificador depois de passar por um conserto, adquire consciência e passa a conversar com sua dona, Elvira. A voz do aparelho é de Selton Mello.A rotina do casal muda drasticamente após o dia em que Elvira entra numa delegacia de polícia para dar queixa do desaparecimento do marido. O delegado (Zecarlos Machado) cita Elvira como suspeita. Elvira decide aumentar laços com seu único amigo(mais tarde cúmplice) o Liquidificador. O filme ainda conta com a belíssima e engraçada Fabiula Nascimento que faz a Vizinha ( fez filme "Estômago")  que aparece de vez em quando para botar fofoca em dia.Elvira tem um 'Q' da personagem inglesa Shirley Valentine, protagonista do filme e peça de teatro homônimos, de 1989. No qual a protagonista conversava com as paredes.

Um humor negro que funciona e até abre espaço para uma 'leve' discussão: O que é sociopatia ? Seria Elvira uma Sociopata/Psicopata ou apenas uma Mulher Deprimida/Raivosa/Furiosa? What a hell... O que é Sociopatia?Transtorno de personalidade descrito no (DSM-IV-TR), caracterizado pelo comportamento impulsivo do indivíduo afetado, desprezo por normas sociais, e indiferença aos direitos e sentimentos dos outros. A psicopatia é caracterizado principalmente pela ausência de empatia com outros seres vivos, resultando em descaso com o bem-estar do outro e sérios prejuízos aos que convivem com eles. Esse desvio de caráter costuma ir se estruturando desde a infância. Por isso, na maioria das vezes, alguns dos seus sintomas podem ser observados nesta fase e/ou na adolescência, por meio de comportamentos agressivos que, durante estes períodos, são denominados de transtornos de conduta. A maioria dessas pessoas tem uma família desestruturada ou tiveram uma infância difícil, e quando atingem o fim da adolescência ou início da fase adulta, repetem os comportamentos violentos, sem empatia, interesseiros, egoístas e manipuladores que presenciaram na infância. Conforme se torna adulto o transtorno tende a se carnificar e causar cada vez mais prejuízos na vida do próprio indivíduo e especialmente de quem convive com ele.

 Na psicanálise tal comportamento é característico das estruturas ligadas as modalidade de perversão, que diferem das neuroses e das psicoses. Indivíduos com este diagnóstico são usualmente chamados de sociopatas e psicopatas. Nossa Elvira é uma dona de casa(mais ou menos 45 anos) com um cotidiano desgastado e com uma motivação que pode gerar um ato criminoso. Seria Elvira uma mulher deprimida a ponto de cometer um ato com requintes de Psicopatia? Sociopatas têm sérias dificuldades para sentir empatia em relação aos outros. Em outras palavras, eles acham extremamente difícil e em alguns casos até impossível se colocar na posição da outra pessoa. É por causa disso que tantas vezes eles são indelicados e insensíveis, divertindo-se em humilhar e depreciar.O sociopata tem emoções rasas. Ele é extremamente habilidoso em demonstrar amizade, carinho e consideração para ganhar a confiança das pessoas. Mas suas emoções em grande parte são superficiais e as demonstrações de cuidado não passam de mero teatro. Até mesmo suas demonstrações de raiva são artificiais. Logo depois de um ataque de ira, o psicopata retorna ao estado normal, deixando claro que não provou do sentimento como uma pessoa normal provaria. 
Psicopatas têm comportamento impulsivo e irresponsável; a psicopatia parece estar relacionada a algumas importantes disfunções cerebrais, sendo importante considerar que um só único fator não é totalmente esclarecedor para causar o distúrbio; parece haver uma junção de componentes. Embora alguns indivíduos com psicopatia mais branda não tenham tido um histórico traumático, o transtorno - principalmente nos casos mais graves, tais como sádicos e serial killers - parece estar associado à mistura de três principais fatores: disfunções cerebrais/biológicas ou traumas neurológicos, predisposição genética e traumas sociopsicológicos na infância (ex, abuso emocional, sexual, físico, negligência, violência, conflitos e separação dos pais etc.). Todo indivíduo antissocial possui, no mínimo, um desses componentes no histórico de sua vida. Entretanto, nem toda pessoa que sofreu algum tipo de abuso ou perda na infância se tornará um psicopata sem ter uma certa influência genética ou distúrbio cerebral; assim como é inadmissível afirmar que todo indivíduo com pré disposição genética se tornará psicopata apenas por essa característica.
 Por essas e outras o filme é inusitado.Temos um liquidificador que reflete sobre a sofrível condição humana e a coisificação que nos cerca, uma potencial psicopata e coadjuvantes que arrematam o excelente toque humorado.
"Não ser gente já é uma forma de ser feliz". Essa frase é um dos pontos principais que faz nossa reflexão florescer. O filme é construído com uma fotografia brilhante e um cenário digno de Psicopata, casa da Elvira super organizadinha, com paredes em tom amarelo, um singelo toque de casa da 'Barbie'. O toque psicológico do filme é justamente este; mostrar a 'perfeita' fachada contrastando com os atos que acontecem dentro dela. Ainda para completar minha reflexão sobre Sociopatia/Psicopatia temos, uma protagonista que aparenta ser uma dona de casa certinha, mas tem como hobby/profissão a Taxidermia(ato de empalhar animais) Mórbido ou não?

Nunca assisti um filme brasileiro que conseguisse unir: Reflexão sobre nossa frágil condição humana, humor negro, ótimas atuações, cenografia, enredo e texto. Essa pseudo moral do filme: O quanto é difícil ser HUMANO, é vital e super atual em nossos dias. Por outro lado, esse modo de vida solitário(mesmo que tenhamos alguém ou alguéns ao lado) levando nossa mente quase 100% ao conceito do TER e não do SER culminando muitas vezes; em atos violentos com o próximo e com nós mesmos é algo a se pensar. Muitas vezes a suposta negação do mundo; pode gerar um Psicopata. O que não faltam são motivos que podem nos transformar em Psicopatas ou Desajustados/ Furiosos, não é? Outro exemplo é nosso Dexter(Seriado) um Serial Killer que mata somente aqueles que não acrescentam nada ao mundo(Homicidas, Pedófilos,Pervertidos Sexuais...) ele diz que só quer fazer do mundo um lugar melhor. Ao mesmo tempo ele também mata para suprir sua depressão. Matando ele fica um pouco mais feliz. Como se fosse sua dose diária de fluoxetina ou Zoloft.Enfim, o filme Reflexões de um Liquidificador é criativo, encantador, com um final muito bacana e altamente recomendado para todos aqueles que apreciam uma pitada de vingança em seu dia dia.




1 comentários:

  1. Pá,

    Ainda não vi este filme e agora fiquei curiosa.
    Sou fã do Selton e a temática deste filme parece bem inovadora.
    Seu texto trivialmente: único com aquele gosto especial da nossa vã filosofia..No caso psicologia,rs.

    Bj

    Ju

    ResponderExcluir

"O cinema não tem fronteiras nem limites. É um fluxo constante de sonho." (Orson Welles)

 

Google+ Followers

Follow by Email