Sobre justiça e vingança. Considerações comuns acerca de Kill Bill e Millenium.

Às vezes me pergunto sobre a ideia de vingança. Se é tão cruel como sugerem boas almas do nosso mundo ocidental e cristão. Tenho dúvidas. E além das dúvidas, às vezes, tenho ódio, ódio daqueles que dominam, exploram e sujeitam os mais fracos. Tenho ódio daqueles que dissimulam, enganam e traem única e exclusivamente para a satisfação do próprio ego.


Será que esse ódio não é irracional? Parecido com dos nazistas para com os judeus que levou ao holocausto e uma das piores barbáries vistas pelo olhos humanos? Não, não compreendo este ódio e possível vingança ao que aconteceu na Alemanha nazista. Quando penso em vingança, penso em Tarantino e a vingança extremamente bem planejada de Beatrix Kiddo em “Kill Bill”, penso em Lisbeth, escrevendo -“Eu sou um porco estuprador”, na pele de seu algoz em Millenium – Os homens que não amavam as mulheres.Penso que a vingança, ou melhor, a justiça se faz entre seus pares.


 
Parafraseando Millôr, “lei é uma forma ardilosa de burlar a justiça”. Se fôssemos tentar remontar e explanar o que é a justiça desde Platão até os dias atuais, veremos que a justiça sempre sucumbiu aos interesses dos mais fortes. Penso que justiça não tem nada a ver com a lei, lei é, variavelmente, uma expressão de quem faz a manutenção do poder, embora este poder não é algo que venha de cima para baixo, mas circule entre os indivíduos e não precisa ser necessariamente institucional.


Os casos de Beatrix Kiddo e Lisbeth revelam bem isso. Beatrix podia ter sido uma mera vítima de um grupo de assassinos, mas não, ela preferiu vingança. Foi atrás de seus carrascos, se vingou da forma mais cruel e digna possível de cada um. Inclusive, uma passagem de chamar a atenção foi o momento em que Vernita Green, a cabeça de cobre é morta na frente de sua filha, Beatrix disse que esse não era o que tinha planejado, mas que quando ela crescesse, se desejasse vingança, estaria pronta. Isto é, ela assume que o direito de vingança também pertence ao outro e cada um, a partir das habilidades que possui vai lutar para sobreviver.


Questão muito diversa de Lisbeth, que é chantageada e estuprada por um representante do poder público. Este usando de seus gozos e privilégios os usa para satisfazer-se. No entanto, os recursos que Lisbeth possui são maiores que seu algoz poderia imaginar. Vingança aqui é pessoal, não tem a ver com loucura coletiva e histerias de massa. "de pessoa para pessoa." Em minha humilde opinião, é uma justiça muito mais digna do que esta que é imposta pelo Estado e seus representantes ricos expressa por meio da lei.



7 comentários:

  1. Gostei muito do post. Eu também sou adepta da vingança até certo ponto. Eu sei que a vingança às vezes desencadeia mais desgraças do que o vingador poderia imaginar (já que estamos em filmes, vou mencionar Sweeney Todd) e ás vezes se volta contra ele. Mas a vingança tem mesmo um sabor de justiça. Acho que ver o seu agressor andar livre e sem sofrer nenhuma consequência sobre seus atos é mais do que qualquer um pode suportar. E se puder ser uma vingança cinematograficamente planejada, melhor ainda! Esse tipo de filme faz sucesso porque no fundo temos o desejo de os "malvados" paguem por seus atos.

    ResponderExcluir
  2. Roni,

    Texto excelente e ultimamente faço das suas palavras minhas. Mas, o meu estilo preferido de REVENGE seria levemente inspirado em Hitchcock(Corpo Que Cai), Kubrick(Shining) e uma pitada de Jig Saw.

    Concordo, quando você diz sobre os mais fortes imperando sobre os mais fracos.Mas, o que me irrita um pouco é: Os fracos tbm se deixam levar ao fracasso não é? Falando em Brasil, temos um povo pacato demais qdo o assunto é: lutar para derrubar a engenhosa engrenagem chamada:Corrupção.
    Se pensarmos mais ainda ..Todos somos políticos e no fim das contas somos um grama corruptos? Somos país do jeitinho? O povo que sabe deixar para fazer amanhã? Um povo que não luta pelo seu canto ao sol e que adora abrir as portas para qualquer cidadão morar e fixar emprego por aqui.
    No fim temos um governo que não está nem aí para seus filhos...Resultando em um mero País do Samba, Futebol, Mulheres e Cerveja...ah! agora o País da Copa :)

    Enfim, ameeeeeeeeeeeeeeeeeeeei seu texto e concordo com seu jeito inspirado em Tarant´s.
    Muitas vezes rebelar-se é algo tão nocivo quanto a conivência!

    ResponderExcluir
  3. Roni,

    Texto muito bem escrito e filosoficamente articulado de maneira sutil. Por acaso, você já se vingou ou pretende? rs. Na verdade seu texto consegue nos deixar aquela velha pulguinha atrás da orelha...Consegue realizar um mergulho em nós mesmos. Deixando a tona nosso melhor lado vingativo.
    O ato de realizar vingança : face to face é MARAVILHOSO(não deveria) Mas, é.
    Não sou adepta a nenhuma religião..Mas, não gosto de violência ou invejas.
    Por outro lado não acho justo essa vitória quase sempre certa dos mais fortes(Milionários) versus os mais humildes(Assalariados etc) infelizmente, temos um mundo que sabe explorar mão de obra e com isso ficando mais onipotente. Pergunta é:
    Até quando?
    Odeia aquela frase: " Fia, ganho pouco né? Mas, é o único emprego que consegui..."
    Esse auto flagelo é piedoso demais pro meu gosto.
    Sabe, fiquei por quase 1 ano e meio sem trabalhar em minha área(Design Plataformas Publicitárias) justamente por não querer me prostituir com salários podres...Escutei tudo que vc possa imaginar de parentes e até supostos amigos...Porém, não me rendi até que por sorte (ou não) consegui voltar ao mercado e ganhando o que realmente mereço.
    Esse espírito um pouco rebelde e até egoísta está em falta em nosso povo, não é?
    Somos um povo comandado e muitas vezes assistencialista ao extremo...Isso me incomoda.

    Menino,
    olha, só o que seu texto rendeu? rs.

    Patt, fez uma FELIZ escolha em te escolhar pro grupo de blogueiros.

    Adorei sua escrita, bjs.

    ResponderExcluir
  4. Na boa, eu fico feliz em encontrar pessoas que mesmo que naum pensem igual (e a ideia de autoafirmacao naum passa por mim), mas reconhecem as ideias que circulam e suas potencialidades. E, em alguma medida, costuram criticas inteligentes acerca destas possibilidades.
    Naum eh de se espantar que este assunto angarie reflexoes e comentarios. Acho que de cada dez assuntos que circulam hoje, oito sao ou abordam sexo e violencia, n'ao sei exatamente por que... Talvez porque nos sentimos violentados o tempo inteiro e, talvez porque a chave mestra do desejo de violencia seja o sexo, por isso falar de violencia e sexo tbm exige cuidado.
    E quando eu falo de tudo isso, sei e vcs sabem o cote[udo politico que esta em torno deste assunto, isto eh, politica naum sao somente para os politicos. Eh, acho que isso mexe com a nossa vida cotidiana, os prazeres sao cotidianos, por isso, com um simples ato politico-institucional, podem mexer com prazeres cotidiano, como trabalho que lhe obrigue a explorar outros. Por isso a rede, vc explora, mas tbm eh explorado (prostituicao trabalhista neh Juliane Maria).
    Com toda a sinceridade, existe alguem que eu gostaria de me vingar? Sim. Eu gostaria de me vingar do Estado e os agentes que segue suas diretrizes de burocratizar a escola, por exemplo. Eles entendem a educacao em primeiro lugar, mas a regras para que a educacao funcione, e por isso, na minha opiniao, a educacao naum funciona. Nunca pensei que fosse dizer isto, mas na escola privada a educacao funciona (do ponto de vista da estrutura tradicional e sua organizacao) por que os profissionais se preocupam primeiro em saber se os objetivos estaum sendo atendidos. mas nem tudo eh flores, quando um pai de aluno (que paga) vai reclamar, a direcao da escola deixa de ser pedagogica e passa a ser empresarial. Logo, vc naum eh professor, eh funcionario.
    Gente, valeu pelos comentarios, eh bom saber que n'ao pensamos sozinho certas questoes...e desculpem pelos erros de digitacao, o teclado ta uma merda (desconfigurado).

    ResponderExcluir
  5. Roni,

    é isso aí querido!

    Concordo 100% qdo diz que :"passamos de educadores para funcionários..." Infelizmente, vivemos nesse pseudo estado 'vegetativo' e idealista quando podemos ser...
    Sinceramente, ando muito deprimida e muito sem motivação qdo o assunto é : Vida Profissional ..
    Deixando de lado todo idealismo e ativismo que um dia tive...Tentando ser mais egoísta...Tentando reencontrar meu lugar no mundo, um local de trabalho que valorize minhas experiências e graduações..
    Confesso, que tá um INFERNO conseguir isso em terra de Renan´s Calheiros..

    No mais...gosto de ler seus textos.

    bjsss

    ResponderExcluir
  6. Enquanto a justiça é altruísta, a vingança é egoísta.

    No mais, belo post usando como objetos dois ótimos filmes, que aliás, tenho grande predileção. Fincher e Tarantino mergulham de cabeça no assunto Revenge, justice e redemption.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Eu pessoalmente não vejo a vingança com bons olhos, acho que ela contamina mais aquele que a alimenta do que quem deveria, a princípio, ser o seu alvo. O grande problema é que a vingança é em si incapaz de restituir o dano causado. Eu, pessoalmente, gosto muito de diversas abordagens do tema no cinema, mesmo a considerando algo negativo fora da ficção...

    ResponderExcluir

"O cinema não tem fronteiras nem limites. É um fluxo constante de sonho." (Orson Welles)

 

Google+ Followers

Follow by Email