TAXI DRIVER


 " ..you talking to me?"
Uma pessoa que  vê sua vida como um eterno fracasso, pode acabar obcecada, deprimida e violenta?Qual seria a intenção do filme, Taxi Driver? Sou fã do filme,enredo, diretor e do ator.
Em Taxi Driver, nosso Travis Bickle (De Niro) é um jovem de 26 anos frustrado e alienado do meio oeste dos Estados Unidos, que alega ter sido recentemente dispensado do Corpo de Fuzileiros Navais. Ele sofre de insônia e consequentemente arranja um emprego como taxista na cidade de Nova Iorque, oferecendo-se para trabalhar no turno da madrugada. Travis passa o seu tempo livre assistindo a filmes pornográficos em cinemas imundos, dirigindo-se sem rumo pela periferia de Manhattan. Também observa Nova York de seu táxi e irrompe com violência contra o que julga ser a escória que contamina a cidade.
Travis é incomodado pelo que considera o declínio moral a seu redor, e quando Iris (Foster), uma prostituta de 12 anos de idade, entra no seu táxi certa noite para fugir de um cafetão. Travis torna-se obcecado em salvá-la, apesar da completa falta de interesse da jovem pela ideia, explicando que estava drogada quando tentou fugir e que o cafetão, Sport, é na verdade uma pessoa gentil e prestável.
Travis é também obcecado por Betsy (Shepherd), que trabalha no comitê eleitoral do senador Palantine, candidato à presidência, cuja campanha promete mudanças sociais drásticas. Ela inicialmente fica intrigada com Travis e, identificando-se com sua própria solidão, concorda em sair com ele. No encontro, entretanto, Travis leva-a a ver um filme pornô, e ela o abandona, perturbada.
Algumas curiosidades sobre o filme, fazem referência ao preconceito.O roteirista Paul Schrader tinha feito de Sport uma personagem negra, assim como outros personagens e Scorsese acreditou que isso daria ao filme um tom racista exagerado, então essas personagens foram alteradas para homens brancos.
Mas, nosso Travis tem o seu 'Q' de racismo o que deixa o filme mais interessante, abrindo portas para um debate no mínimo indispensável. Filmes com temática psicológica chamam minha atenção e com Taxi Driver, não foi diferente. Falar em frustração não significa falar de algo doentio, mórbido. A frustração, é uma ocorrência universal e comum a todas pessoas conscientes das condições de sua existência, significa algo necessário ao amadurecimento e, consequentemente, ao desenvolvimento do sujeito, de sua relação com o mundo, sua realidade com os outros e consigo próprio. 
 O ser humano, tal como os animais superiores, tende a fugir da dor e se aproximar do prazer. Portanto, há sempre uma pretensiosa tentativa de suprimir o sofrimento das frustrações ou das perdas. Usamos várias maneiras para escapar da dor, ampliamos nossa defesa, períodos de negações, compensações, etc, fazendo parte de um leque de recursos interiores, ou buscamos ajuda externa. Vivenciar perdas, experimentar a melancolia e a tristeza diante das frustrações são processos importantes para o amadurecimento psíquico e aprimoramento das relações sociais.Outro ponto abordado no filme
foi o estado depressivo de Travis.
A Depressão não pode ser compreendida como sinônimo do sentimento de tristeza e melancolia que qualquer pessoa experimenta diante das dificuldades e frustrações, mas sim, como um quadro patológico próprio e específico, relativamente emancipado dos eventos existenciais. Muitos banalizam o termo “depressão” e isso acaba atrasando possíveis tratamentos. Mas nem todo sintoma encontrado na Depressão, assim como tristeza, desinteresse, apatia, perda de prazer com as coisas pode ser considerado doença ou algum transtorno do afetivo. Muitas vezes trata-se de um reflexo emocional de circunstâncias vivenciais frustrantes. No caso, do nosso Travis em Taxi Driver, fica nítido fazer um comparativo da sua frustração profissional(ex fuzileiro) com o seu incomodo em ver o declínio da cidade. Ao mesmo tempo ele desenvolve o comportamento obsessivo numa tentativa de voltar as raízes, querendo 'resgatar' Iris da prostituição e Betsy da escória da vida política.  Por outro lado, o crítico de cinema Stephen Hunter sugere que a suposição de que Travis Bickle é um veterano da Guerra do Vietnã pode não estar correta. Hunter alega que o comportamento diante de armas de fogo e que as vestimentas militares da personagem são incongruentes para um veterano de guerra. A teoria de Hunter é que Bickle pode ter adotado essa persona como parte de seus problemas pessoais e psicológicos.
 Voltando a psicologia 'in Cine', é importante que o ser humano tenha frustrações, principalmente durante o desenvolvimento infanto juvenil para melhor se adaptar à realidade existencial da vida adulta, então as facilidades, benevolências, ausência de limites e hiper atendimento das necessidades que os pais atualmente proporcionam aos filhos estariam contribuindo para uma deficiência adaptativa de futuras gerações.A falta de preparo para suportar e superar frustrações na infância pode aumentar ainda mais a inclinação hedonista no futuro, crises emocionais desencadeadas por contrariedades pequenas, insatisfações crônicas.
A frustração é um sentimento de não realização ou não satisfação diante de um destino que se distancia da vontade. Aí, o mais correto seria chamar o quadro de tristeza, mágoa, aborrecimento, desespero. A criança também se desespera diante das dificuldades da vida e manifesta frustrações. E talvez esse evento seja fundamental para o desenvolvimento emocional, muito mais importante do que a privação total de frustrações proporcionada por pais super protetores.No filme, dá pra notar que o comportamento de Travis vai além de uma frustração profissional e talvez, algo proveniente de uma infância rígida e até inexistente em amor. Na realidade o que intriga é saber o que pode estar errado: a capacidade da sua adaptação ou a necessidade que a humanidade se adapte a ele?O que se tem de concreto, pelo menos aparentemente, é que o ser humano 'normal' tem tido que fazer uso de antidepressivos, terapias, exercicios físicos, boa alimentação, uma situação financeira/ profissional estável entre outros para melhorarem sua qualidade de vida emocional. 
 A qualidade existencial humana, ultrapassa em muito a área da medicina, da psiquiatria e da psicologia. Este é um tema que fortemente diz respeito à sociologia, à antropologia e, principalmente, à política e à economia. Estes outros segmentos da sociedade que devem ser envolvidos nessa questão. 
Pra terminar, alguns detalhes pertinentes sobre o filme:
"O tiroteio no clímax do filme foi explícito visualmente. Para conseguir a classificação R nos EUA, Scorsese acabou reduzindo a saturação das cores, deixando o vermelho do sangue menos vivo. Em entrevistas posteriores, Scorsese comentou que ficou satisfeito pela mudança de cores, considerando-a uma melhora em relação à cena filmada originalmente, que foi perdida. No entanto, na edição especial do DVD, Michael Chapman, diretor de fotografia do filme, lamenta a decisão e o fato de não existirem mais cópias com as cores inalteradas.
Alguns críticos expressaram sua preocupação com a presença da jovem Jodie Foster durante o tiroteio. No entanto, Foster explicou que ela estava presente durante a montagem dos efeitos especiais usados durante a cena; o processo inteiro foi explicado e demonstrado para ela, passo a passo. Em vez de ficar traumatizada ou transtornada, Foster disse ter ficado "fascinada" e "entretida" pela preparação envolvida nos bastidores da cena. Além disso, antes de ganhar o papel, Foster foi sujeitada a testes psicológicos para assegurar que seu papel não a afetaria emocionalmente, de acordo com as leis trabalhistas da Califórnia.Taxi Driver fazia parte das fantasias e delírios de John Hinckley, Jr., os quais o motivaram a tentar assassinar o presidente Ronald Reagan em 1981, não sendo considerado culpado sob a alegação de insanidade.Hinckley declarou que suas ações eram uma tentativa de impressionar a atriz Jodie Foster, por quem era obcecado, tendo até imitado o corte de cabelo moicano que Travis Bickle usava no comício do candidato a presidência Palantine. Seu advogado concluiu sua defesa mostrando o filme para o júri."
 De toda forma, entre ironias, delírios e frustrações em Taxi Driver, temos um Travis como um héroi que consegue salvar Iris e ainda supostamente ganha o 'amor', de sua Betsy.





7 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Pati, por incrível que pareça, só fui ver este filme há algumas semanas. Comprei o DVD duplo. Excelente... um verdadeiro soco no estômago!

    JoicySorciere => CLIQUE => Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir
  3. Quem nunca se olhou no espelho e disse: "You talking to me?"

    Ótimo Pati! Provavelmente a obra prima de Scorsese, embora ele tenha outras fitas tão brilhantes quanto esta (Touro Indomável, Ilha Do Medo, Hugo, Os Bons Companheiros, Casino, Os Infiltrados...). Certamente o melhor papel de De Niro e um vigoroso capítulo para a carreira de Jodie Foster.

    Clássicão!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Sou fã de Scorsese e sua parceria com De Niro é um dos pontos altos da sétima arte. Muito bacana explorar os temas psicológicos tratados no filme, algo que nem sempre observamos em críticas. "Taxi Driver" consegue ser surpreendente, não imaginei que as coisas iriam se desenrolar daquela maneira!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Faço as palavras da Lê as minhas, muito bacana essa abordagem que você fez. Ótimo texto. De fato, Taxi Driver é um dos trabalhos mais relevantes do cinema americano. Reza a lenda, que Brickle é baseado no próprio Schrader, que em época, tendo terminado com uma namorada, vagava pela cidade na madrugada, com uma arma em punho e em um estado de depressão profundo. Parece que curou seu demônios escrevendo esse monstruoso roteiro. Como dica, se não leu, recomendo muito o livro "Como a Geração Sexo, Drogas e Rock n´ Roll salvo Hollywood". O capítulo sobre Taxi Driver é especial. Abração!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Celo, Lê, Rô e Joicy,

      Simplesmente, sou apaixonada por De Niro em especial neste filme.
      Tudo indica que os lapsos psicológicos tão bem interpretados no filme, são fruto de um estudo sobre transtorno de personalidade mediante depressão-pós traumatico.
      O que me deixa um pouco triste, foi a 'inspiração' que alguns cidadãos comuns tiveram para cometerem atos semelhantes culminando quase no mesmo fim.
      De toda forma: um clássico!
      Obrigada, pelos comentários.

      Excluir
  6. Grande texto, grande filme!
    È uma pena quase não existirem mais filmes como esses ... Vamos aproveitar enquanto ainda estão vivos diretores e atores como estes! Ver filmes de Johnny Depp não dá né... Principalmente quem já viu atuando atores como: De Niro, Al Pacino e Anthony Hopkins!
    Parabéns pelo texto, satisfação, beijos.

    ResponderExcluir

"O cinema não tem fronteiras nem limites. É um fluxo constante de sonho." (Orson Welles)

 

Google+ Followers

Follow by Email