CHOCOLATE



Dentre várias descobertas, a do chocolate foi uma que influenciou muito a mudança de comportamento das civilizações, principalmente a civilização europeia que recebeu essa descoberta de braços abertos e ficaram atentos ao processo de aceitação do chocolate pelo clero até a viabilidade de sua degustação pela população.Esse comportamento foi retratado de forma romântica e até com certa dose de comédia, no filme Chocolate, com um elenco no mínimo 'saboroso' - Johnny Depp, Juliette Binoche, Alfred Molina, Carrie Anne Moss, Judi Dench,Hugh O´Conor, Lela Olin, Elisabeth Commelin, Peter Stormare, Aurelien Koenig, Victoire Thivisol, John Wood e Leslie Caron.
Em um vilarejo francês, nos anos 50, o diretor sueco Lasse Hallström faz sua homenagem ao chocolate.Na verdade, o alimento que é tão mais cobiçado e desejado por muitos, é apenas o símbolo e o pretexto utilizados pelo cineasta para discutir valores como tradição, humanismo, moral e principalmente, a tolerância.Juliette Binoche é Vianne Rocher, uma forasteira que, acompanhada da filha de seis anos, chega a um conservador vilarejo no interior da França. Lá, tem a "ousadia" de abrir uma loja de chocolates, ao lado da igreja, em plena Quaresma. Com um ar de 'feiticeira', encanta alguns moradores com suas receitas, algumas bem exóticas[para época], como a que mistura chocolate e pimenta.Um ponto que me chamou atenção no filme foi o tradicionalismo. O ceticismo, presente há anos, no Vilarejo, costumes, tradições, valores e normas de comportamento adotados ao longo de muito tempo e a maneira como reagiram à abertura de uma chocolaterrie justamente na época de jejuar é algo retratado brilhantemente na película.
No dicionário Aurélio Tradição significa: "sf (lat traditione) 1 Ato de transmitir ou entregar. 2 Comunicação ou transmissão de notícias, composições literárias, doutrinas, ritos, costumes, feita de pais para filhos no decorrer dos tempos ao sucederem-se as gerações.
O fortalecimento da identidade de cada um no Vilarejo aos poucos toma forma. Não sei se o culpado é o Johnny Deep, Juliet Binoche, o Diretor ou o Triptofano*. Desde sempre se sugere que o chocolate possuía propriedades afrodisíacas: os Aztecas pensavam que dava vigor aos homens e desinibia as mulheres. Na verdade, existe no chocolate um composto químico, designado triptofano, que é usado pelo cérebro para produzir serotonina, um neurotransmissor que induz sensações de prazer. No entanto, a presença do triptofano no chocolate é em pequena quantidade, pelo que a hipótese de o chocolate provocar um aumento da produção de serotonina é ainda controversa.
Chocolate é um filme sobre amor, paixão pela família, tolerância, quebra de barreiras referente aos costumes(na época o chocolate era visto como o 'diabrete' da gastronomia) devido sua suposta interação ao 'afrodisiaco'/sensual, um filme sobre contrastes religiosos e sobretudo é um longa para ser degustado sem pressa e de preferência ao lado daqueles que amamos. 
Utópico, sim, pode ser. Porém, essa fuga da realidade nos tempos atuais vez ou outra é necessário.
Um filme contemporâneo que consegue retratar a luta diária de algumas mulheres em nossa sociedade machista/patriarcal, com aspectos religiosos muitas vezes 'alienantes' e capitalista ao extremo.Um empreendedorismo regado a cacau, cultura e paixão! 




9 comentários:

  1. Com o perdão do trocadilho, este filme é simplesmente delicioso! Acho maravilhoso o jeito leve com que ele aborda os temas complexos que você bem lembrou em sua resenha, já tem alguns anos que o assisti e pretendo fazê-lo de novo em breve!

    Excelente texto, você destacou bem os melhores aspectos do filme...

    P.S. Sou suspeito para falar deste filme pois sou apaixonado pela Juliette Binoche!

    Já linkei teu blog ao Sublime Irrealidade!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Julitte é minha preferida também!
      Ao lado de Scarlat Johansson, Penelope Cruz, Jolie , Meryl Streep,Cate Blanchet...entre outras!
      Obrigada, por passar por aqui :D
      Realmente, seu blog tá lindissimo(desde o layout, madeira de fundo, os links) O texto do Penn.
      Parabéns!
      Divulgue o meu e venha sempre aquiiiiiiiiiiii
      beijos

      Excluir
  2. Chocolate é um baguio muito bom...eu sou suspeito pra falar...(deu até vontade de comer um). Eu já assisti o filme, ele tem esse "Q" q vc falou de servir como pano de fundo de uma discussão mais ampla. Esteticamente o filme é bom, nada muito revolucionário, mas é aqueles filmes q vc assiste do lado da namorada sem problemas com a certeza q vai ter mais além do chocolate no final.rsrsrs. No que diz em relação ao debate eu acho meio romântico demais, certamente a quebra de tradições morais e as vezes conservadoras se da de forma mais suja, mais mesquinha, por luta entre interesses até uma tradição dar lugar a outra. Não sei se vc sabe mais o chocalate qdo chega na Europa, chega de forma amarga, de tanto botar açucar é q ficou bom...Os marxista (ao 3) diz q o açucar e as coisas doces são o simbolo do liberalismo, o Freud diria q é uma forma de compensar a dor, eu quero q se foda, como mesmo, nem ligo. kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Roni,
      Pois é...no texto original até citei isso .
      Depois, acabei retirando!!!
      O chocolate é ref de "afrodisiaco" e com o povo multi católico da época resultou em repressão culinária.
      Leio muito sobre gastronomia..Adoro me atrever nas panelas..rs;
      Em especial confeitaria,rs.
      Enfim, adoro o filme e na verdade estou ensaiando pra falar do meu AMOR Nicholson em Shinning!
      Adoro qdo vc passa por aqui!!!
      *no aguardo do CISNE* hehe

      Excluir
  3. Este filme é um charme!! Leve, gostoso, mas não peca no açúcar!
    Total sessão "feel good"
    Está entre os meus preferidos!

    ;D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. adoro quando você vem aqui!
      Se você soubesse o gás(animador) que me dá escrever aqui e em seu blog!!
      Faço tratamento para depressão...e estou bem melhor graças ao seu convite viu?!
      beijo enorme minha mais nova amiga virtual.

      Excluir
  4. Obrigada, Patricia. Vou linkar o seu blog também.
    Esse filme é lindo, um deleite para os olhos (por Johnny Depp e todo aquele chocolate!). Adorei ver Leslie Caron mais madura e principalmente a ótima Juliette Binoche.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Adorei seu espaço também, e os filmes, que excelente bom gosto! Escrita fluida, está de parabéns. Seguindo, e agora vou aparecer sempre. Bjão!

    ResponderExcluir
  6. Muito obrigado pela visita Patricia e pelas doces palavras, aliás, por falar em doce, "Chocolate" é realmente um filme bacana e com o melhor sabor do mundo, afinal sou chocólatra, rs!

    Beijos!!! Volte sempre no meu blog. Linkando e seguindo!

    ResponderExcluir

"O cinema não tem fronteiras nem limites. É um fluxo constante de sonho." (Orson Welles)

 

Google+ Followers

Follow by Email