Choose Life?





"Há uma grande diferença entre sua última dose e sua dose final"- Spud .
Trainspotting, na gíria escocesa significa “sem sentido”, foi traduzido no Brasil como “Sem limites”. 

Trainspotting  (1993) na versão romance deu origem ao filme(dirigido por Danny Boyle) muito mais que um livro sobre 'drogas'. Marc Renton, um jovem completamente mergulhado no mundo do vício na cidade de Edimburgo, Escócia. Welsh com seu humor ácido conta os esforços, de seu personagem para abandonar o vício da heroína.Renton narra sua história de abuso de drogas, abstinência e recaídas. Quase uma 'biografia' do autor.O livro e o filme possuem 'trechos' adaptados do diário que o autor mantinha durante seus anos de dependência química. Trainspotting é um relato visceral e com humor negro dos hábitos e manias de um viciado dividido entre a busca do prazer e o constante arrependimento.Tanto o livro como o filme fazem pensar nessa substituição(temporária) da realidade pelo vício em drogas. E, afinal o que é mundo real?  O tradicional emprego, estudos, casamento, filhos? Nada disso serve, apela-se ao outro extremo, a auto-extinção. O filme nos faz pensar sobre este vazio “sem limites”, sobre estado depressivo e até sobre tendências suicidas.

"Escolha viver. Escolha um emprego. Escolha uma carreira. Escolha uma família. Escolha uma televisão enorme. Escolha lavadoras de roupa, carros, CD players e abridores de latas elétricos. Escolha boa saúde, colesterol baixo e plano dentário. Escolha uma hipoteca a juros fixos. Escolha sua primeira casa. Escolha seus amigos. Escolha roupas esporte e malas combinando. Escolha um terno numa variedade de tecidos. Escolha fazer consertos em casa e pensar na vida domingo de manhã. Escolha sentar-se no sofá e ficar vendo game shows chatos na TV enfiando porcaria na sua boca. Escolha apodrecer no final, beber num lar que envergonha os filhos egoístas que pôs no mundo para substituí-lo. Escolha o seu futuro. Escolha viver."

É com este discurso que Danny Boyle abre Trainspotting - Sem Limites, o mais completo e corajoso filme sobre sexo, drogas, rock'n'roll, juventude, polícia, violência, anarquismo, cultura pop, assalto, capitalismo e burguesia já feito no cinema. Boyle e Hodge queriam ser ácidos, sarcásticos, inteligentes,humorados, atemporais e conseguiram.A rigor, Boyle tratou de não julgar nada nem ninguém, apenas mostrou o que devia ser mostrado ao público.Muito mais que um filme sobre DROGAS. Um filme sobre vida, comportamento,vazio existencial...Em resumo um filme sobre: ESCOLHAS!

"Escolhi não viver. Escolhi outra coisa. 
Os motivos? Não há motivos. 
Quem precisa de motivos quando tem heroína?”.

QUAL É SUA ESCOLHA?



5 comentários:

  1. Boyle arrasa! Já vi todos os seus filmes. Falta somente esse!Se o filme for jus a sua critica ele certamente arrasa!
    http://quaseumfilmepordia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Nunca assisti. Tenho muito curiosidade de ver, curto muito este estilo de filmes... Ótimo texto, aparentemente você conseguiu captar o essencial dele!

    ResponderExcluir
  3. José e Vanessa,
    muito obrigada pelos comentários!
    Assistam e leiam o livro!!!
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Esse é um dos meus filmes prediletos e é um dos que melhor abordam o tema das drogas, embora o filme não trate só disso. Naquele meu post que você comentou, dos filmes que falam sobre drogas, ele não está lá pois aquela é a Primeira Parte. Na continuação eu falarei dele, do Requiem Para um Sonho, Traffic, 21 Gramas, Half Nelson, entre outros.

    Ótimo esse seu post! Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olla,
      tudo bem?
      21 gramas é maravilhoso.
      Outro filme bacana para você abordar é: CRASH no LIMITE!
      bjs

      Excluir

"O cinema não tem fronteiras nem limites. É um fluxo constante de sonho." (Orson Welles)

 

Google+ Followers

Follow by Email